terça-feira, 15 de novembro de 2011

Reticências

E o céu nunca pareceu tão perto
Nenhum vento pra me levar
Apenas um sol para me guiar
Por todos os caminhos, vi o incerto

Quando pulei para o meu mergulho
Nunca pensei na chance de cair
Via possibilidades de sorrir
E lentamente ia esmagando meu orgulho

O tempo escorria em direção ao futuro
Mal sabia o que estava à espera
Uma hora acabaria a quimera
Uma hora, eu sei, ficaria tudo escuro

E acabou
Sem avisos prévios
Simplesmente se foi com o vento
Aquele que não me levou...
Aquele...

Mas começou
Com avisos prévios
Completamente previsível e piegas
Como deve ser,
Como deve ser...

Reticências
Victor Castanheira Antunes

Nenhum comentário:

Novo Aeon - Raul Seixas

Sociedade alternativa
Sociedade novo aeon
É um sapato em cada pé
É direito de ser ateu
Ou de ter fé
Ter prato entupido de comida
Que você mais gosta
É ser carregado, ou carregar
Gente nas costas
Direito de ter riso e de prazer
E até direito de deixar
Jesus sofrer...