sábado, 14 de maio de 2011

Soneto das Flores

Hoje eu quero a felicidade das flores.
As tristes tardes cinzas, esquecer.
Viver num plano sem dores.
Inventar amores para viver.

Hoje eu quero a bondade das flores.
Os maléficos espinhos, desaparecer.
Fugir com calma dos horrores,
Que a vida esconde para nos surpreender.

E mais uma vez deitar nos girassois,
Trabalhar num mundo de cores
E assim resplandecer.

Viajar para ver outros sóis,
Buscar nos céus infindáveis amores
E para sempre, em outros planos, viver.


Soneto das Flores
Victor Castanheira Antunes

Novo Aeon - Raul Seixas

Sociedade alternativa
Sociedade novo aeon
É um sapato em cada pé
É direito de ser ateu
Ou de ter fé
Ter prato entupido de comida
Que você mais gosta
É ser carregado, ou carregar
Gente nas costas
Direito de ter riso e de prazer
E até direito de deixar
Jesus sofrer...