domingo, 7 de junho de 2009

Entre a mata e o feitiço

Entre a densa floresta,
As árvores e animais
Ela se esconde
Se esquiva

Por entre as raízes,
Pássaros e flores
Ela se faz presente
Sonoramente

Contra o rio e sua força
Ela surge majestosa
Depois de uma fina
Camada de úmida poeira

Um tímido arco íris
Brota entre os galhos
Borboletas e pedras
De sua caudalosa corredeira

Sem dar conta que tem vida
Derrama de melancolia
Lágrimas de grandes gotas

Com gotas rápidas e esbranquiçadas
É feito seu véu que cobre
Seu lindo pescoço de feiticeira

Entre a mata e o feitiço
(Victor Castanheira Antunes)

Um comentário:

marina, disse...

Já falei pra você largar química e escrever uns 10 livros?Entre todas essas palavras nenhuma pode dizer o quanto gosto dos teus textos.parabéns.o/

Novo Aeon - Raul Seixas

Sociedade alternativa
Sociedade novo aeon
É um sapato em cada pé
É direito de ser ateu
Ou de ter fé
Ter prato entupido de comida
Que você mais gosta
É ser carregado, ou carregar
Gente nas costas
Direito de ter riso e de prazer
E até direito de deixar
Jesus sofrer...